Nem Planeta B nem Profissões B - Ecossistemas Sociais: A Geoética da Água
Pedra dÁgua

Categoria:

Água
Não aplicável

O Verão não entrou ainda e há já vários meses que se registam problemas com o abastecimento de água a populações, incêndios e acentuadas dificuldades para satisfazer as necessidades de rega e abeberamento de animais. Ano após ano agravam-se e complexificam-se os desafios em torno da Água. A recorrência e severidade destes eventos assumem particular dramatismo no interior do país, e ainda nas ilhas Madeira e Açores, revelando mais do que flutuações de padrões climáticos, profundas insuficiências estruturais e funcionais locais na gestão deste precioso recurso, indiciando também falhas ao nível do conhecimento técnico-científico, de cultura cidadã e política. Um factor crítico na raiz do problema encontra-se na sistemática ausência de profissionais - ao caso hidrogeólogos - em diferentes instituições, níveis de planeamento e decisão, constituindo uma evidência histórica e o ponto fraco de estratégias que se pretendem sustentáveis. Urge dotar a Sociedade de competências técnicas e de cidadania essenciais para uma mudança de paradigma, consciencializando para as graves consequências sociais, ambientais e económicas que representam não apenas o desconhecimento generalizado da pegada hídrica por detrás de hábitos de consumo, opções quotidianas e decisões políticas, mas também das consequências que se agravam sempre que se ignoram conhecimentos e competências que só estes profissionais podem assegurar. Numa era geológica de extremos climáticos e uma geopolítica de conflitos latentes, sem geólogos de águas subterrâneas na matriz de cada território-comunidade não é possível o exercício das melhores práticas de educação e cidadania, e sobretudo, a gestão e utilização ética e sustentável de um Bem indispensável à própria Vida, e à Paz.

Partilha:

Descrição da ação

Porque as respostas a estes desafios à escala planetária apenas se mostram viáveis com equipas multidisciplinares onde naturalmente se incluam aqueles que melhor conhecem este recurso, a experiência da Água das Pedras é exemplo e argumento convincente que importa divulgar, ao demonstrar de forma pedagógica os benefícios da inclusão destes recursos humanos qualificados na cadeia de valor comercial, bem como, do valor maior da componente subterrânea dos recursos hídricos de igual forma invisíveis, e por isso desconsiderados, mal conhecidos que são pelas populações, e contudo incontornáveis para a sua prosperidade e bem estar, a resiliência económica e social, num exemplo perfeito de prática sustentável com origem e base local. Numa primeira fase importa comunicar os benefícios globais fruto de estratégias sustentáveis quando inteligentes e inclusivas, num convite à reflexão informal dos cidadãos pela divulgação da excelência e das boas práticas em Prevenção de Riscos e Gestão Integrada de todos os recursos endógenos – ao caso hídricos, enquadrados nos respectivos territórios, ecossistemas e comunidades-, bem como no reconhecimento dos técnicos de geologia de águas subterrâneas como um recurso endógeno e ativo social de valor económico e ambiental incontornável, às pessoas e ao planeta. Uma segunda fase passa pela criação de um Fundo permanente, auto-sustentável, promotor em cada Território-Comunidade de propostas e projectos integrados de Ciência-Cidadã inovadores, catalizadores de Conhecimento Aplicado através de ações em torno da Preservação do Recurso, da Prevenção de Secas, de Inundações, Contaminações/Intrusões (em especial as águas subterrâneas), ou no âmbito de estratégias de combate a incêndios, ordenamento do território, prevenção de derrocadas e risco hidrogeológico, desertificação e despovoamento de territórios-comunidades ou ainda em Geoética, e que incluam necessariamente, hidrogeólogos.

Objectivo

Assinala-se desde logo um contributo muito direto e pragmático na mitigação das consequências e problemas de escassez e degradação da qualidade da Água, através de esforços concretos de promoção pelo exemplo, de novas mentalidades e comportamentos éticos, inteligentes e sustentáveis em sociedade e nos mercados, que passa também pela consciencialização da interdependência e benefícios comuns resultantes de uma cultura cívica crítica em matéria de Igualdade de oportunidades, trabalho colaborativo e multidisciplinar em torno deste recurso, procurando-se sensibilizar e envolver as pessoas no patrocínio coletivo de soluções concretas em resposta às suas necessidades nos territórios-comunidades que formam. Inovador ainda enquanto mecanismo de reforço e visibilidade da participação cívica individual e coletiva, recompensados através das suas escolhas quotidianas enquanto consumidores responsáveis orientados por objectivos cívicos alargados, alavancadas por exemplos empresariais geradores de confiança, coesão e sustentabilidade. Credível porque visível, próximo, mensurável - da saúde pública à paz social e ao bem estar, do ambiente, base fundamental a todo o desenvolvimento, à economia, e, indiscutivelmente, em matéria de catástrofes e proteção civil. Alguns dos Objetivos do Milénio são também desta forma trabalhados, através do Elemento Água enquanto símbolo de Paz e sustentáculo de toda a Vida.

Meios

Na primeira fase, através da produção de conteúdos multimédia e/ou outros suportes (um curto documentário), e em particular através dos rótulos de garrafa das Pedras Salgadas e/ou de outras bebidas - sendo a Água a preponderante ou a singular e única matéria prima. Numa segunda fase e no âmbito da proposta de valorização, inclusão social e profissional destes recursos, em responsabilidade e inovação social e ambiental, a disponibilização da plataforma Dar de Volta para publicação dos Projetos candidatos; de igual modo, a comunicação destes projectos e ações patrocinadas ou apenas candidatas através de filmes PUB e/ou outros meios e suportes como campanhas de marketing de nicho do interesse das Pedras e do Grupo, por exemplo, no âmbito de Conferências, Feiras, Apresentações Públicas ou do SBSR como fórmula de elevado impacte pela sensibilização em larga escala em ambientes informais. Auto-sustentabilidade, através do contributo resultante das vendas de bebidas do Grupo, fazendo reverter uma parte ínfima do custo das bebidas (0.01€!) para o Fundo. Apenas é necessário levar o material multimédia e/ou outro para o Museu da Eletricidade, sendo eu o voluntário.

Orçamento

2500€-5000€

outras

ideias

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Lorem ipsum

+

Anterior

X